domingo, junho 28, 2009

Casas, num festival de silêncio

De volta à paz da Casa, à rústica Cacela.
Aos pequenos almoços tranquilos, bem adornados no páteo. Ao despertar no silêncio. Aos serões mudos, inspirados, que ecoam dos tectos altos de cana e trave da sala, dos quadros de cores quentes, da parede em janela que reflete o candeeiro de luz amarela e as garrafas do bar. À meia luz.

De volta às ostras, às ameijoas, ao por-do-sol, na encosta da Casa Velha. Com a mesma honestidade de sempre.

De volta a tarte de amêndoa e à galeria intermitente da Casa Azul. Da qual nunca me canso.






Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

free website stats program